Produtos
Newsletter
Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail as últimas novidades!

Nome:

E-mail:
Assinar
Cancelar assinatura
Enquete
O que você achou do novo site?
 
Dicas de Decoração Imprimir E-mail

Objetos e objetivos da decoração

Compor um ambiente exige cuidados para não carregar ou apagar o visual. A busca pelo design de interiores é alternativa.

Uma das peças funcionais criada pela design de interiores Lilian Inácio; baú pode se transformar em bandeja, banqueta, carrinho de bar ou de chá

A escolha dos objetos de decoração e os locais onde serão colocados nos ambientes merecem muita atenção para que os revestimentos e pinturas não sejam desvalorizados. Segundo a arquiteta e design de interiores Lilian Inácio, os objetos de decoração é que concretizam todo o projeto do ambiente, que começa com aspectos gerais e toma forma com outras etapas como gesso, iluminação, revestimentos, cores, mobiliários, cortinas e tapetes.

“Os estilos dos objetos devem dialogar com o estilo do cliente e conseqüentemente com o restante da decoração. Eles dão equilíbrio e delicadeza às proporções, materiais, texturas, cores e estilos”, afirma a arquiteta.

Ela sinaliza porém, que nada impede de um living ser composto por móveis mais tradicionais e objetos comptemporâneos sejam expostos. “É o mix de estilos, muito em alta nas mostras de decoração.”

Utilidade
Para Lilian, a real necessidade dos objetos de design é eliminar o supérfluo. Além do valor estético agregado, geralmente as peças têm toda a parte técnica muito bem desenvolvida, como a ergonomia.

“Têm que ser funcional, ter linhas marcantes e únicas. Essa é a diferença entre uma peça planejada por um profissional da área das peças produzidas sem projeto”, comenta.

Ela cita exemplos de peças que criou, como um simples baú que pode se transformar em uma banqueta, em uma bandeja, em um carrinho de bar ou de chá. “A peça pode estar num quarto pela manhã e na sala em outro momento do dia”, explica.

Banheiros, cozinhas e lavanderias
Ambientes como banheiros e cozinhas geralmente são esquecidos na hora da decoração. “Isso é um grande erro. Até a lavanderia pode ser decorada com acessórios em uma mesma cor para alegrar este ambiente de serviços.”

Ela sugere que para os banheiros o ideal é adquirir um jogo de objetos de pia que combinem com o cesto e com algum outro detalhe construtivo, por exemplo, objetos cromados (se os metais forem cromados), objetos verdes (se houver algum detalhes de azulejo ou pastilhas verdes). “Siga esse mesmo raciocínio para a cozinha, observando sempre um tom mais marcante para compor com os objetos de pia ou até mesmo aparelhos de jantar e toalhas”, destaca.

Atração ou promoção? Um outro alerta feito pela arquiteta para as promoções. Ela afirma que muitas pessoas compram simplesmente porque os preços são baixos, mas sem pensar na utilidade da peça. “Geralmente essas compras por impulso acarretam uma poluição visual nos ambientes da casa. O exagero não é bem vindo nesses casos”.

Halls e salas
Nesses ambientes pode-se dizer que é mais fácil de acertar. Segundo a design, é preciso começar escolhendo o que terá destaque no ambiente. “Objetos de grande valor, seja financeiro ou afetivo, merecem uma atenção especial, com direito à iluminação, cor de parede diferenciada ou nichos para enquadrar a peça”, acrescenta.

A altura do objeto e o local onde ele será colocado é outro ponto importante. Nunca coloque uma peça muito alta em cima de uma mesa de canto ou de centro ou de uma mesa de jantar, e nem baixas no chão.

Áreas comerciais
Produtos ou serviços, sem dúvida alguma, devem estar em evidência nos ambientes comerciais. Portanto, a decoração deve ser mais sutil. “Quase que imperceptível aos olhos dos consumidores que admiram as vitrines”, comenta Lílian.

A área mais trabalhada deve ser a parte interna da loja, como copa, lavabo, salas administrativas ou de negociação. Dessa forma, o consumidor se prenderá mais as informações da vitrine, aos produtos e, consequentemente, será induzido às compras. Mas é preciso também humanizar o ambiente para que que ele se sinta confortável e seguro. Vasos, tapetes ou quadros de gosto pessoal não devem ser usados. “Peças neutras são mais recomendáveis nos locais públicos”, diz.

Curiosidades
- Existem marcas, designers e peças que são conhecidas mundialmente. Muitas são antigas, mas perduram até os dias de hoje no mundo da decoração. A tradicional marca francesa Baccarat é um exemplo, vende os cristais mais famosos do mundo, empregados tanto na joalheria como em objetos, como vasos e acessórios de mesa. Outras marcas como Christofle, Kosta Boda e Christian Dior também são conhecidas pelo design, qualidade e alto valor das peças.

- No entanto, se você não tiver R$ 7 mil para comprar um vaso Kosta Boda, não se desespere, a decoração pode ser feita com objetos encontrados em sua cidade e produzidos no Brasil, país de talentosos artistas e designers.

Tendências internacionais
Cores: verde, preto e branco Materiais e formas: acrílico, metais bem reflexivos e das pinturas em laca brilhante e poliuretano. Desenhos minimalistas, formas simples e imponentes, transparência, florais e peças feitas da junção de materiais naturais e high tec, como madeira em estado bruto e metais, acrílicos adesivados ou serigrafados em estampas que lembram o traçado tradicional das rendas.

Tendências no Brasil

Esculturas em metais, sejam eles alumínio, cobre ou ferro

Vasos em cerâmica, muitas vezes nas cores branco, preto e vermelho

Vasos de vidro murano ou vidro comum em várias opções de cores ou cristais translúcidos

Garrafas em vidro, cerâmica ou metal, baús em fibra natural ou madeira

A madeira ou MDF revestido são muito utilizados também em caixas, cachepô, vaso, luminária e abajur, bandeja, centro de mesa

Os objetos étnicos e naturais também estão em alta, dentre eles os africanos, indianos, balineses, tailandeses e chineses. Já os tradicionais chegam da Europa, sendo que França e Itália se destacam.